ENTREVISTA “GUERREIRAS”: TATIANA ROLIM

By  |  0 Comments

REGGAE REMIX – DJ ADRIANO CABEÇA by Adriano Cabeça on Mixcloud

Essa belezura de Guerreira e entrevistada de hoje chama-se  Tatiana  Rolim, tem 38 anos, mora em Sp, atualmente de volta à sua terra em Franco da Rocha, na região  metropolitana de São Paulo, próximo  a Jundiaí. Escritora, fundadora da Trinclusão, psicóloga, psicopedagoga, mãe, especialista em saúde coletiva e psicologia hospitalar e da reabilitação, com capacitação em violência familiar, teve duas lesões medular, ou seja, carreira e vida pra mais de uma entrevista, confira:

Qual a sua deficiência? Desde quando você tem essa deficiência?

Na mesma cidade que estou atualmente, sofri um acidente há anos atrás  quando era muito comum passeios ciclísticos, ainda é, mas não tanto quanto antes. Num dos passeios em 25 Jan 1995 eu pedalava  com uma uma turma de ciclistas, quando um caminhão desviou numa curva de um ciclista e me atropelou. Foi mais ou menos assim. Não lembro ao certo, porque na hora  tive  uma  hemorragia, coma, parada cardíaca e lá vai um monte de historias que tornou-se livros : Meu Andar Sobre Rodas e Maria de Rodas.

Acabei publicando livros , o talento literário da infância tomou conta de mim e deixei acontecer através das experiências que vivi desde o acidente. Tem muitas  coisas nos livros.

Como foi sua infância e adolescência?

Minha infância foi maravilhosa, vivi muita coisa  boa, brinquei muito e claro pedalei muito  durante  toda a minha adolescência, até os 17 anos minha vida  foi puro movimento. Eu acabei sendo modelo na adolescência, fazia campanhas, e também jogava  vôlei pela cidade, participava de campeonatos e amava o que fazia, Nos intervalos pedalava e como toda adolescente, curti a vida, namorava, tinha muitos amigos.Eu era do perfil cdf, estudiosa, amava livros, estudar apesar de odiar matemática, sonhava ser veterinária.Mas com o acidente os planos mudaram e o investimento na carreira me conduziram a especialidade  clinica de outro jeito, me formei como psicóloga, psicopedagoga e neuropsicologa.

tatiana-rolim-3-e1426039038433

Qual seu nível de instrução escolar? Fale um pouco de como foi sua vida escolar e acadêmica?

Eu tenho uma longa trajetória  história de formação profissional, sou formada em psicologia pela FIG-Faculdade Integradas de Ciências e Letras e Obstetrícia de Guarulhos, pela mesma faculdade fiz pós em Psicopedagogia, depois   na USP fiz cursos de especializações , Fiocruz-RJ outra especialização em estudos da Violência e entre  eles  fiz um programa de Residencia para especialização em Psicologia Hospitalar aplicada  á Reabilitação, onde atuei por 10 anos na área. Eu optei pela psicologia  logo depois do acidente, quando me vi totalmente dependente e cheia de cicatrizes e sem movimento pra tomar um copo de d’água nos primeiros meses.

Sem desistir da vida , meus sonhos era retomar a minha vida e  entre as metas estava voltar estudar. Assim lutei pelo retorno á faculdade.

Acontece que dois  meses antes do  vestibular  eu estava internada, por conta de uma grave  complicação por uma ostemielite ( grave infecção que passou  da corrente sanguínea para  coluna atingindo minha medula, por conta disto tenho duas origens de lesão, sou lesada  medular duas vezes), e precisei  de internação , novos procedimentos e cirurgia.

Não aceitando perder a prova, negociei com o hospital que permaneceria internada, mas no dia da prova eu queria alta para  ir  a faculdade fazer o vestibular. Naturalmente comprei uma briga administrativa mas venci e no dia da prova lá estava eu , com soro, medicamento e um enfermeiro para me acompanhar.( eu não fugiria rs) apenas não queria perder mais uma chance de fazer o vestibular, visto que no ano anterior  tinha perdido por conta de  algo mais grave , o acidente que me deixou paraplégica, termo simpaticamente utilizado nos dias de hoje  “cadeirante!”

tatiana-rolim-2-e1426039089195

Qual a sua profissão? Desde quando trabalha?  Onde você trabalha? Como se deu sua entrada no mercado de trabalho?  Como é sua relação com os demais colegas de trabalho? Enfrentou ou enfrenta dificuldades no trabalho ou no mercado de trabalho?

Da extensa formação, minha vida profissional  se resume  entre antes e depois do acidente : antes eu era secretaria e trabalhava numa engenharia, iniciei minha carreira no Mc Donalds aos 15 anos e faria tudo de novo!! Joguei bola, fui modelo e estava sonhando com o vestibular. Veio ao  acidente e a reformulação profissional.Nao dava para ser veterinária, viajar, estudar longe, investir num estudo e ter um consultório todo adaptado para operar  vacas , como eu sonhava.

Então optei pela psicologia e fui para área de grandes especializações, antes da residencia na área, fui operadora de call center  numa época que era orgulho ser teleoperador, bons salários. Retomei o trabalho 8 meses depois do acidente, cheguei no INSS quando iam me aposentar por “invalidez” e pedi alta imediatamente. Contrariada  com a conduta medica eu acreditava não ser e nem estar  inválida  muito menos pra sempre! Em posse da alta, busquei empregos quando nem se falava de lei de cotas.

Meu primeiro emprego depois do acidente  foi num grande Hospital isralelita, aonde  aprendi muitas coisas a começar  pelo árduo processo  contra o preconceito tínhamos um chefe  grosseiro e preconceituoso. Ele colocava o dedo na cara de todo mundo que era deficiente e trabalhava no mesmo setor que eu. Um dia ele veio fazer o mesmo comigo. Advinhe? Grudei no dedo dele. E discutimos.

Dias depois me mandou embora ,  sem justificativas aproveitando que meu direitor não estava la. Quando o diretor chegou me ligou eu já estava trabalhando em outro local, fui numa reunião que  o diretor convocou para esclarecer os fatos, apenas anunciei para assistir as fitas de cftv( câmera de segurança) do departamento.Ele assistiu e tempos depois soube que o tal chefinho foi demitido. Aprendi a duras penas  e sai de la preparada para uma sociedade que me mostrou muitas coisas  a  principal delas de que não podemos abaixar a cabeça, eu já tinha abaixado antes e chorado muitas vezes, ate que um dia passei a enfrentar o adversário exatamente como eu enfrentava nas quadras: para vencer!! Resgatei em mim o poder de acreditar em mim mesma e acredito que todos podem!

Do hospital fui para uma tv, da tv para  programa de residência e da residência fui contratada pra trabalhar no centro de reabilitação, que fiz tratamento e trabalhei em campanhas de arrecadação de doações.

tatiana-rolim-5-e1426039189940Minha atuação na instituição foram de três papéis: paciente quando  precisei, voluntária em retribuição com palestras e eventos televisivos e por fim profissional, trabalhando arduamente e com satisfação pela minha escolha para atender pacientes na área da medicina e reabilitação como  psicóloga. Tenho orgulho de tudo que vivi e me apliquei para chegar ate  onde  cheguei.

Sai da instituição 10 anos depois quando percebi meu coração frio, com tantas desgraças que se vê num centro de tratamento e reabiltiação, era como  acontece  com alguns  médicos que nem olham na cara do paciente eu me via quase perto disto um dia e antes que este dia chegasse eu pedi pra sair.

Estava  sonhando com o Terceiro Setor, com mega projetos, ideiais, criaitividades  a mil para atender  estas pessoas que saiam da reabilitação e não tinham oque fazer. E financeiramente  minha vida  me conduzia para o sustento da família, com uma filha bebe eu buscava o melhor para  ela , então juntou tudo: sonhos, desejos e vontade insistente de construir novos projetos.

Neste meio tempo empresas  voltaram me chamar para fazer palestras e com isto profissionalizei esta demanda, abrindo uma consultoria para treinamentos  e palestras  sobre : áreas técnicas, psicologia, qualidade de vida,  inclusao, palestras motivacionais,educacionais e outras.

Hoje gerencio meu próprios processos e projetos, vivo um sonho atrás do outro.Um ano e meio depois de muitos esforços  chegou a minha parceira, amiga e sócia Fernanda  com uma historia de vida incrível!

Para você como é ser mulher com deficiência num país, cujo padrão de beleza é o da barbie ( que é ser magra, alta, peituda, saudável, jovem, loira e ter um corpo “perfeito”)? Você acredita que as pessoas te veem a partir da maneira como você se sente e se percebe? E como você cuida da sua beleza? Enfrenta ou já enfrentou alguma dificuldade para ter acesso a salões de beleza, clínicas de estética etc? Quais?

Nossa  quanta coisa , vamos por partes:

Ser mulher  nunca  foi fácil em qualquer condição , sendo Brasileira , tendo uma imagem poluída de “poposudas” fica pior ainda. Eu fazia parte não das meninas  frutas, mas de certa forma tinha o atribuído: andar  e rebolar  , que num pais como o nosso faz a diferença; Quando me dei conta que tinha perdido tudo isto, sofri horrores, eu não podia ver um anuncio na tv que me feria, ver uma partida de vôlei com as meninas de shortinhos cavados da moda de época remoía meu coração , minha auto-imagem que estava em completa reconstrução depois de um atropelamento por um caminhão. No livro: Meu Andar Sobre Rodas, eu comento sobre esta fase tao dolorida e fase dos aprendizados  e interpretação dos olhares da sociedade: de dó, carisma, coitadismo, pena, comoção, admiração, paquera, sedução, indiferença, etc.

Foi uma experiência marcante isto, aprender os olhares e saber como as pessoas me viam sendo uma  garota com deficiência, isto me deu a bagagem para hoje ter o amadurecimento dos dias de hoje.

E em especial reconhecer que o aquilo que eu sempre valorizei nas pessoas ao meu redor é o que as pessoas que estão ao meu lado valorizam: CARÁTER, PERSONALIDADE, e isto não tem perna, não tem bunda, não tem rebolado.!!

Assim as relações se constroem nesta base de amadurecimento.E eu não sofro com isto não, já sofri na fase inicial e hoje perto no auge dos 40, somos mulheres  mais  corajosas, somos leoas .

E quando o assunto é a sexualidade das mulheres com deficiência, ainda existem muitos empecilhos? Quais? Como esses empecilhos podem ser desfeitos?

O primeiro empecilhos para  abordar a sexualidade é querer deixar que o tema seja um empecilhos. Estamos vivendo uma fase de muita informação então tudo torna-se fácil e esclarecedor. Minha fase de redescoberta da sexualidade não foi muito fácil.

tatiana-rolim-4Eu tinha um  namorado quando sofri o acidente , estávamos numa fase quente do relacionamento e ele me fazia mulher, me ensinava, me instruía e me preparava para uma vida sexual adulta. Quando aconteceu o acidente  a primeira coisa que achei  era que ele me deixaria, como se o sexo fosse o mais importante na nossa vida. Hoje vejo que cada dia mais atraio pessoas que realmente  acreditam no que sou e não  como sou. Bom,depois deste medo ele me provou numa reconquista que nada disto tinha valor se o amor não imperasse na relação. E aprendemos a fazer a amor pela segunda primeira vez de nossas vidas.

Foi tudo errado no começo é ruim. Eu  estava ainda com marcas no corpo, cicatrizes com curativos, cuidados intensos, mas nossos corpos nos pediam e arriscamos. Deu tudo errado! me frustei, ele também, chorei tive vergonha e medo de nunca mais sentir nada  como da primeira vez.

Com o tempo fomos treinando e aprendendo a respeitar o corpo, esvaziar a bexiga e o intestino como todo mundo faz diariamente antes de uma relação sexual, é que na vida de um lesado medular isto vira um ritual, em especial para quem usa sonda  para técnica de esvaziamento.

Eu nunca usei , mas sei bem como funciona!!

Bom com o tempo aplicamos as  técnicas e  reaprendemos, retomamos  aula de onde ele tinha parado por conta do acidente e me redescobri mulher  capaz de dar e sentir prazer.

Naturalmente e infelizmente sem o mesmo orgasmo, por conta  de todas as importâncias neurológicas que são necessárias um processo tão complexo como este, mas muito possível de satisfação!

O outro medo depois da retomada sexual  era sobre a maternidade, se era possível, se eu ainda era fértil. Na verdade eu mais queria ter certeza  de continuar fértil do que ter um filho naquele instante. Fiz os exames e o médico me  esclareceu tudo, na mulher  a lesão medular não é tao agravante para fertilidade. E anos depois comprovei  isto com a gestação da minha princesa  que também tornou-se outro livro: Maria de Rodas.

tatiana-rolim-1-e1426039956969

 Que recado você deixa para nossos gestores e para a sociedade em geral, incluindo os que visitam a Casadaptada?

Primeiro que delicia poder falar  como mulher para tantas pessoas, levar nossa missão de oportunidade de igualdade como cidadãs!! Segundo obrigada pela oportunidade de compartilhar um pouquinho de mim aqui com os visitantes da CASA ( CASADAPTADA) e por fim que nossos gestores do poder público tenham o olhar de igualdade para toda a categoria dos grupo de vulnerabilidade : pessoas com deficiência, pessoas com mobilidade reduzida e todos os que precisam realmente  da aplicabilidade das politicas públicas .

E ainda gostaria de deixar um recado caso chegue ate as empresas, que nossa consultoria Trinclusao esta aberta a propostas , interesses e parcerias, disseminando conhecimentos.Visitem nossas paginas.

Abraços Tatiana Rolim

tatiana-rolim-6-e1426040563139

www.trinclusao.com.br

www.tatianarolim.com.br

https://www.facebook.com/trinclusao

FONTE WWW.CASAADAPTADA.COM.BR

Comments

happywheels

Deixe uma resposta

ChatClick here to chat!+
Ver peliculas online
%d blogueiros gostam disto: